Suplementos: recomendações para corredores

Muita gente não sabe muito bem o que é uma suplementação alimentar, não é verdade? Os suplementos são frequentemente confundidos com anabolizantes. Para tirar as dúvidas dos nossos corredores, iniciantes e avançados, o extinto site Clube das Corridas conversou com uma especialista, a consultora farmacêutica da Naiak, Dra. Leandra Sá de Lima. Veja:

Qual a diferença entre suplementos e anabolizantes?

Anabolizantes são hormônios usados para promover o ganho de massa magra (músculos), devem ser vendidos apenas sob prescrição médica com receituário de controle especial, embora haja bastante comércio ilegal pelo país, infelizmente. Suplementos alimentares são compostos que ingerimos usualmente na nossa alimentação – podem ser carboidratos, vitaminas, minerais, proteínas, fibras. Entretanto, embora uma alimentação equilibrada e variada consiga fornecer nutrientes em equilíbrio, muitas pesquisas demonstram que doses mais elevadas do que temos nos alimentos podem beneficiar a saúde das pessoas. Além disso, também existem as pesquisas que demonstram que nossos alimentos estão cada dia mais pobres em nutrientes, quer seja pelo desgaste do solo, por características geoquímicas de determinado país ou região, ou pelo uso de aditivos agrícolas de forma continuada.

Quem precisa de suplementação? 

Mesmo não atletas se beneficiam com a suplementação alimentar. O ômega 3 por exemplo, é bastante deficiente na alimentação ocidental. As pesquisas demonstram que deveríamos ingerir 1 parte de ômega 3 para cada parte de ômega 6 obtido da alimentação. Isto é importante para que ocorra o equilíbrio entre os mecanismos inflamatórios inerentes ao ser humano com os mecanismos anti-inflamatórios endógenos. Ocorre que o homem moderno tem ingerido 7 x mais ômega 6 do que deveria e esta relação está descompensada. Estima-se que a ingesta de ômega 6 hoje seja de 20 partes para 1 parte de ômega 3 – assim nos tornamos todos seres “inflamados”. Para desviar esta cascata para o lado anti-inflamatório recomenda-se para qualquer pessoa, a suplementação de ômega 3, evitando-se assim a incidência futura de infartos, alergias, asma, podendo-se melhorar o funcionamento de todas as membranas celulares do corpo, influenciando inclusive a plasticidade cerebral. O ômega em qualquer atividade física, de todos os níveis, reduzirá as chances de lesões inflamatórias.

Ainda para o atleta, principalmente em exercícios extenuantes ou de longa duração, a suplementação de Magnésio é muito importante. Aliás, a Naiak foi a empresa que trouxe para o Brasil o Magnésio Di-Malato.

O redirecionamento do Magnésio para o músculo, o aumento da perda de magnésio pelo suor, podem levar o atleta a um esgotamento de sua reserva de magnésio no corpo e provocar arritmias e, em casos muito críticos, podem ocorrer convulsões semelhantes a uma crise epiléptica.

Embora esses sejam casos mais críticos, perdas menores do mineral no atleta podem levar a outros sintomas: cãibras, menor eficiência de trabalho, alteração parâmetros bioquímicos devido a efeitos cardiovasculares e perda de desempenho físico em treinamento intenso. A suplementação com Magnésio Di-Malato pode prevenir o problema.

Se o corredor para de correr por algum tempo, por exemplo, ele deve suspender a suplementação? 

Não necessariamente. Se é um indivíduo que mantém um estilo de vida agitado que demande alto padrão de produção de energia, ele pode manter a suplementação para garantir uma boa qualidade de vida.

Posso combinar vários produtos para diferentes propósitos ao mesmo tempo? 

Sim, os exemplos que dei se complementam. Mas vale salientar: uma avaliação por um nutricionista ou médico pode trazer melhores resultados.

Quais os cuidados ao investir em suplementos? 

Conhecer a procedência. É importante sempre usar suplementos que estejam registrados junto à ANVISA. Infelizmente têm chegado ao Brasil muitos produtos adulterados contendo substâncias que trazem risco à saúde dos usuários. Muito cuidado com termogênicos – além de não ser a melhor forma de se melhorar a performance física (na minha opinião) podem trazer efeitos deletérios ao sistema cardiovascular. Se contiverem essas super-bombas então, o risco aumenta muito. Tudo o que trouxer “milagre demais”, por exemplo, secar não sei quantos quilos em 1 mês, você deve olhar com desconfiança, pois em fisiologia não existem milagres – todo resultado tem um preço.

Insira um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *